sexta-feira, 29 de maio de 2020

Verão 2020





































Mais informação aqui

quinta-feira, 28 de maio de 2020

Não, não vai ficar tudo bem

















Fotografia de António Cotrim/Lusa 

A actual pandemia mundial veio acentuar tudo o que de mal já havia 
Antes da Covid-19 os meios de Comunicação Social em Portugal já viviam numa situação delicada, com uma progressiva perda de receitas publicitárias, consequente perda de postos de trabalho, que por sua vez provocou uma notória diminuição de qualidade e quantidade de produção. Mas não só por essas razões. Há que juntar exercícios de má gestão, decisões irresponsáveis, apostas erradas, erros crassos próprios da escola primária da Rádio, experimentalismo bacoco, desrespeito por regras estruturais incontornáveis, atitudes perigosas, investimentos duvidosos e muita incompetência.
No mundo da Rádio, para além da enorme perda de qualidade nos últimos quinze anos, também se tem assistido a uma grande quebra de variedade, riqueza de conteúdos, profundidade e interesse.
A difícil sustentabilidade das empresas detentoras de estações de Rádio colocou a continuidade dos projectos na linha da extinção. Este ano, que antes da pandemia já tinha dado a conhecer o encerramento súbito da Rádio Sim, do grupo Renascença e da extinção da Rádio Estádio (que nem um ano durou!), arrisca-se a terminar ainda com mais e surpreendentes encerramentos.
A incerteza domina a actualidade dos dias de agora, em que já se ultrapassou o anteriormente chamado "novo normal". Agora é "o novo anormal" que guia os destinos diários dos media portugueses.
É sob este cenário telúrico que não se pode dizer que "vai ficar tudo bem", porque não vai.
A mensagem de esperança espalhada pelas varandas e janelas das habitações em confinamento, visíveis em bandeiras, cartazes, panos, toalhas e lençóis não passa da mera expressão de um desejo urgente.
Como sempre acontece, a realidade impõe-se e o actual ano 2020, que vimos começar de uma certa maneira, vai terminar de uma maneira muito incerta.
Não se pode dizer que "vai ficar tudo bem" com a execução de planos de contingência vigentes na Rádio a fazerem diminuir a quantidade da programação, danificando a qualidade do produto final, com recurso a teletrabalho, sofrível em termos de som deficitário e outras dificuldades técnicas de indisfarçáveis danos estéticos.
Não se pode dizer que "vai ficar tudo bem" com numerosos profissionais em regime de Layoff por tempo indeterminado, com perda significativa do seu ganha pão, a desvalorização do trabalho, numa espécie de purgatório para o Inferno. Para além da desmotivação provocada, com tudo o que isso implica, para alguns profissionais da imprensa escrita, Rádio e Televisão, o actual purgatório no qual estão confinados é a antecâmara do desemprego.
Não se pode dizer que "vai ficar tudo bem" quando o Estado dá uma curta ajuda temporária e não se vê no horizonte mais próximo quem possa ajudar depois dele. Quem precisa de ajuda precisa sempre, mas quem ajuda nem sempre pode ajudar. Havendo mecenas ou criação de fundações, imperará sempre a velha máxima de "quem paga manda" e lá se vai a independência.
A Rádio que chegou a 2020 vinha já de fortes embates no passado recente. Ainda não totalmente recuperada da anterior crise, que muito a danificou, sofre agora novo e forte embate de consequências imprevisíveis. O vírus passa, mas a crise fica. E uma crise em Portugal dura, no mínimo, uma década.

Cristóvam - "Andrá Tutto Bene" 




As consequências do tempo de confinamento e isolamento social atingiram quase todos os sectores da sociedade. Quem estava mal, ficou pior. Quem estava muito mal, ficou muitíssimo mal. Claro que na desgraça há sempre quem se aproveite, quem tire partido, quem possa beneficiar e ganhe com isso e ainda fique melhor do que já estava. Para esses, a pandemia foi o Jackpot caído do céu.
O sector das Artes e da Cultura está a ser duramente atingido. Sem actividade, caiu num poço sem fundo do qual dificilmente sairá nos próximos tempos. Para muitos projectos, artistas e agentes culturais, é o fim da linha.
Na Música, a partir de casa, foram-se desenvolvendo iniciativas que não resolvem nada. Apenas serviu para chamar a atenção da gravidade do problema e entreter um bocadinho.
Alguns músicos nacionais têm feito o que podem e alguns criaram temas novos, como Cristóvam, no tal grito de esperança de que "vai ficar tudo bem" e a dupla André Tentúgal e Eurico Amorim, utilizando um sampler de um clássico do mesmo nome, "Changes", de David Bowie, pendendo mais para as mudanças que estamos a viver e para as quais teremos quase todos que nos virar já ali, ao virar da esquina.

André Tentúgal & Eurico Amorim - "Changes" 



Change is a virtue, my friend. If you wanna escape, all you have to do is wake up your mind. 
Bob Neuwirth

ACT:
Mais de uma dezena de títulos pediram cancelamento de registo na ERC 
Notícia na TSF aqui 

Sindicato dos Jornalistas diz que Impala vai despedir 54 pessoas 
Notícia no Observador aqui 

quarta-feira, 27 de maio de 2020

Boa Rádio portuguesa no período de confinamento


















Antena1
Dois Minutos Com Francisco George
O Amor É

Antena2
A Força das Coisas
A Ronda da Noite
A Vida Breve

Antena3
Prova Oral
Precisamos de Falar

Rádio Renascença
Extremamente Desagradável
A Hora da Júlia

TSF-Rádio Notícias
Tubo de Ensaio
Sem Medo do Medo
Um Dia de Cada Vez
Covid-19 Perguntas Com Resposta
Volta Ao Mundo Em Quarentena
Com Os Livros Estamos Mais Próximos

SBSR
Radio Call - Uma Chamada Para a Rádio
Stay The Fuck Home 
Under The Roof By Radio SBSR 

Rádio Observador
Gabinete de Crise
Vidas Em Isolamento
A Luz Ao Fundo do Túnel

terça-feira, 26 de maio de 2020

Bonitas palavras


Bonitas palavras aplicáveis à casa de todas as palavras, que é a Rádio. 
Em tempo de pandemia, sublinhados positivos. 

Força 
A força da Rádio aplica-se de várias formas. Na força da palavra de uma notícia, pela forma como é dita determinada palavra, como é contada uma história, como é dito um texto poético ou de prosa. A força de criar ambientes sonoros que por sua vez são criadores de múltiplas imagens. A força do apelo ao imaginário. 

Pluralidade 
A pluralidade das vozes que atravessam a Rádio, a pluralidade de temas tratados em antena, a pluralidade de opiniões, a pluralidade de estilos musicais transmitidos em antena, a pluralidade das inúmeras dimensões do Mundo, da Humanidade e das Artes. 

Promoção 
A Rádio promove a igualdade, o saber, a informação fidedigna, idónea e concreta, de forma concisa, directa e sucinta. Promove a diversidade dos povos, da Cultura e da Arte. 

Solidariedade 
A Rádio é solidária com causas humanitárias justas, sociais e até políticas. 

Encontro
A Rádio é o encontro da Vida e do Mundo. O encontro entre as pessoas, mesmo que não se estejam a ver e nem se conheçam. 

Trabalho 
Rádio é trabalho. Diário e muitas vezes duro. Vinte e quatro horas por dia, todos os dias e todas as noites. 

Qualidade 
A qualidade existe na Rádio, mas já houve mais quantidade de qualidade. A qualidade é o factor que mais tem diminuído na Rádio ao longo da última década, de forma muito acentuada, embora o tendente decréscimo da qualidade tenha tido um início anterior. Há muito boa Rádio a ser realizada em Portugal, mas está escondida. É diminuta e está ameaçada de extinção. A qualidade, não a Rádio. 

Construção 
A Rádio tem o poder de construir imagens que operam no imaginário do ouvinte. Quer seja através de Música, quer seja através de palavras. Neste âmbito, a Rádio é inigualável e imbatível. 

Reconhecimento 
A Rádio reconhece o que de mais falta faz ao ser Humano, mas nem sempre recebe o reconhecimento mais merecido. Muitas vezes, e de forma injusta, é apelidada de “parente pobre” dos media. Mas não é. 

Proximidade 
A proximidade é a força maior da Rádio. Proximidade com as pessoas. A sua capacidade de criar emoções fortes, cumplicidades, necessidades afectivas e outras. O meio de maior companhia que existe. 

Persistência 
O caminho de vida da Rádio é o caminho da persistência. É esse o seu destino. Persistir. Persistir a tudo o que existe e aparece. A Rádio é o meio que mais se adapta à co-existência. 

Representação 
A Rádio representa uma presença constante na vida de todos nós. De tão profundamente inserida no dia-a-dia humano nem se dá pela a sua presença. É algo tão essencial como o oxigénio, a água, a chuva ou a electricidade. Só se dá por ela quando nos falta. 

segunda-feira, 25 de maio de 2020

Morrison Hotel há 30 anos

















Há cinco anos foi publicada aqui na «Rádio Crítica», juntamente com um artigo mais extenso, um conjunto de extractos de emissões do programa «Morrison Hotel» gravadas na Primavera, Verão de 1990. Agora, mais um pouco do mítico programa de Rui Morrison no antigo FM-Estéreo da Rádio Comercial há trinta anos, em Maio de 1990. O som foi captado directamente da emissão ‘no Ar’, gravado em cassete. Digitalizado três décadas depois, possui a qualidade possível. No alinhamento, encontram-se temas musicais de: Style Council, Billy Joel, Tom Waits, Leonard Cohen, Harold Budd & Brian Eno, Joe Jackson, Carole King, Robbie Robertson, The Doors, Jim Morrison e Pieter Nooten & Michael Brook. 
Ouvir aqui

Nos 40 anos da Rádio Comercial, em Março do ano passado, Rui Morrison foi entrevistado pela estação a propóstito do programa «Morrison Hotel» e onde se falou também da longa passagem do autor pela Rádio. 


Morrison Hotel na «Rádio Crítica», num artigo publicado no dia 22 de Junho de 2015:
Morrison Hotel

Emissão do programa em Maio, Junho e Julho de 1990
Ouvir aqui 


Rádio Comercial FM-Estéreo

16:00/18:00 - Rock Em Stock
18:00/19:00 - Círculo Em FM
19:00/20:00 - Ao Fim e ao Cabo
20:00/22:00 - Topo de Gama
22:00/00:00 - Pessoal e Transmissível
00:00/01:00 - Morrison Hotel
01:00/03:00 - Som da Frente
03:00/06:30 - Serviço Nocturno

In: «Diário de Lisboa», 22 de Novembro de 1989  

quarta-feira, 20 de maio de 2020

Lugar Sonoro




























Emissão nº 52, preenchida com gravações sonoras de campo binaurais realizadas no concelho de Oliveira do Hospital.
Com transmissão na Rádio Boa Nova em Oliveira do Hospital.

Ouvir aqui 

terça-feira, 19 de maio de 2020

O Vírus na Rádio



O professor universitário, sociólogo, pensador e filósofo Boaventura de Sousa Santos editou em Abril um ensaio sobre algumas das muitas consequências provocadas pelo novo Coronavírus. Na semana passada esteve na Rádio, em directo por videochamada, no programa «Prova Oral».


Prova Oral 
De Fernando Alvim, com Diana Duarte e Joana Gama 
Antena3 
2ª a 6ª feira 19:00/20:00 | 06:00/07:00 
Segunda-feira, 11 de Maio de 2020 
Com Boaventura de Sousa Santos 
Ouvir aqui 

segunda-feira, 18 de maio de 2020

José Cutileiro

1934-2020















Fotografia de Orlando Almeida/GlobalImagens

Reputado diplomata, muitos anos comentador de política internacional na Rádio
Na Antena1 nos programas «Mais Europa» e «Visão Global», na TSF no programa «O Estado do Sítio».
Notícia TSF aqui

Última participação de José Cutileiro no programa «O Estado do Sítio» na TSF, no passado Sábado, dia 16 de Maio.
Ouvir aqui

quarta-feira, 13 de maio de 2020

Aves e Música em tempos de confinamento





















Da Minha Janela... Aves e Música em tempos de confinamento 

Mais informação aqui

terça-feira, 12 de maio de 2020

Estado de Calamidade















Está em vigor o Estado de Calamidade em Portugal desde o dia 3 de Maio 

Bastou um micro-organismo invisível, apenas detectável através de potentes microscópios electrónicos, para desestruturar as sociedades na maior parte do planeta.
Uma pandemia mortal à escala mundial a escrever a história dos nossos dias, a abalar os sistemas económicos, sociais, políticos e outros e a equacionar valores. Afinal, o que é importante?
De nada valeram as desenfreadas corridas ao armamento, a industrialização em massa, a destruição dos ecossistemas naturais, a especulação económica, financeira e imobiliária. O essencial a ser permanentemente substituído pelo acessório. Afinal, o essencial era o investimento na ciência médica onde, agora à pressa e atabalhoadamente, se procura desesperadamente uma cura rápida, ou um antídoto eficaz enquanto não se chega a uma vacina. 
Expressões como "Isolamento social", "confinamento", "layoff", "desconfinamento" ou "distância física" tornaram-se também elas pandémicas. 
Na Rádio, a actual urgência sanitária tornou-se quase mono-temática. O caudal informativo passou a dar vazão a um volume raramente visto, ouvido e lido. Quantidade e variedade dentro do mesmo tema. Tudo o resto perdeu importância. Os outros acontecimentos eclipsaram-se. Parece já nada mais existir a não ser esta urgência que nos confina e atormenta. Ainda não tínhamos saído por completo da anterior crise económica e já estamos a levar com outra em cima ainda mais grave. A vida dita "normal" preexistente a Março parece ter sido há imenso tempo. Esta espera mata-nos, a economia afunda-se, o deficit, outrora levado ao estatuto de desígnio nacional, afinal já não conta para nada, podendo ser ignorado e até largamente ultrapassado. A sociedade da informação deu lugar à sociedade da desconfiança. Já não é o salve-se quem puder. É o fuja quem puder. Mas só se pode fugir quando se tem para onde. 
O Mundo já era um lugar estranho e perigoso, muitas vezes hostil, mas agora tornou-se irreconhecível. 
As cidades vazias de movimento e pessoas fez ressurgir os sons naturais dos pássaros, do vento e do silêncio. Mas o cenário era de uma civilização exterminada como se tivesse ocorrido uma guerra química que deixou os edifícios todos de pé e intactos, mas sem qualquer lastro de vida.
Como em muitas outras ocasiões, a Rádio é um refúgio reconfortante nestes inquietantes dias sombrios, estranhos e perigosos. 
Olhar os dias no mais belo e interessante programa diário da actual Rádio portuguesa, reunindo alguns extractos de obras literárias de vários autores. Excertos que assentam que nem uma luva nos dias de hoje.

A Ronda da Noite
Antena2
Realização de Luís Caetano
2ª feira, 11 de Maio 2020
Ouvir aqui

segunda-feira, 11 de maio de 2020

Rádio pandemia













SARS/Cov-2 | Novo Coronavírus | Covid-19 

A Rádio mostrou ser, uma vez mais, um refúgio seguro. Surgiram em algumas estações programas dedicados à pandemia, com programações muito alteradas por via da execução de planos de contingência.
Em dias de confinamento e isolamento social, TSF, Antena1, Rádio Renascença, SBSR, Rádio Observador e Antena3 lançaram-se ao tema.




















TSF-Rádio Notícias
Para além dos programas já aqui referenciados «Covid-19 Perguntas Com Resposta» e «Sem Medo do Medo», a TSF criou novos espaços de programação, como por exemplo «Volta Ao Mundo Em Quarentena», com depoimentos de cidadãos em cidades confinadas e os seguintes:

Um Dia de Cada Vez
De Teresa Dias Mendes
3ª a 5ª feira
19:00/20:00
Ouvir aqui

Com Os Livros Estamos Mais Próximos
Ouvintes na leitura de excertos de obras literárias
Ouvir aqui















Antena1
Dois minutos com Francisco George
Ouvir aqui















Rádio Renascença
25 anos depois, o regresso de Júlia Pinheiro à Rádio, num talkshow interactivo no estilo próprio da apresentadora de TV, enquanto a pandemia durar, com participação dos ouvintes.

A Hora da Júlia
2ª a 6ª feira
23:00/00:00
Ouvir aqui
















SBSR 
Radio Call
19:00/20:00

Começou por ser de segunda a sexta-feira, agora duas vezes por semana à 3ª e 4ª feira. Apenas com Ricardo Mariano em estúdio, mas com vários intervenientes convidados em sistema de teletrabalho, incluindo músicos com prestações ao vivo à distância.
Ouvir aqui

Para além do espaço interactivo «Radio Call-Uma Chamada para a Rádio», a SBSR ainda criou o espaço diário de sugestões culturais para consumir a partir de casa em «Stay The Fuck Home» e ainda o espaço, também interactivo, substituindo os mini-concertos em estúdio «Under The Roof By Radio SBSR», com músicos convidados a apresentarem-se ao vivo a partir de casa à sexta-feira.
Ouvir aqui















Rádio Observador
Criou vários espaços sobre a pandemia, como por exemplo o programa de análise e debate semanal sobre a situação do combate ao Coronavírus em Portugal.

Gabinete de Crise
Com Carla Jorge de Carvalho, Alexandre Abrantes e Pedro Pita Barros.
Ouvir aqui

A Rádio Observador também criou os seguintes espaços dedicados à Covid-19:
Vidas em Isolamento
Ouvir aqui

A Luz Ao Fundo do Túnel
Ouvir aqui





















Antena3
Prova Oral

O forum interactivo mais descomplexado da Rádio portuguesa atirou-se ao tema por numerosas vezes, sempre com convidados. A qualidade de som nem sempre foi a melhor devido à realização do programa estar submetida ao sistema de teletrabalho, utilizando diversas plataformas digitais em simultâneo com a emissão em directo a nível nacional. A «Prova Oral» esteve sempre muito animada, aliviando o ar pesado destes tempos.
Ouvir aqui

sexta-feira, 8 de maio de 2020

It was HÁ 50 ANOS ago

























THE BEATLES - Let It Be (1970) 

Lado A
1. Two of Us
2. Dig a Pony
3. Across the Universe
4. I Me Mine
5. Dig It
6. Let It Be
7. Maggie Mae

Lado B
1. I've Got a Feeling
2. One After 909
3. The Long and Winding Road
4. For You Blue
5. Get Back


It was HÁ 50 anos ago
It was HÁ 50 ANOS ago (I)
It was HÁ 50 ANOS ago (II) 
It was HÁ 50 ANOS ago (III)
It was HÁ 50 ANOS ago (IV)


sábado, 25 de abril de 2020

O 25 de Abril na Rádio


Fotografia de José Sena Goulão

Vários momentos da celebração do 46º aniversário do 25 de Abril na Rádio.
Alguns dos grandes momentos andaram entre a alegria e a comoção.

1974: O 25 de Abril na Rádio
Antena2
Documentário com recurso ao acervo sonoro do arquivo da RTP. 
Realização de Sofia Saldanha
6ª feira, 24 de Abril de 2020
Ouvir aqui

Café Plaza
Antena2
Emissão com algumas canções da época e recheada com registos históricos da Rádio nos dias 24 e 25 de Abril de 1974.
Realização de Germano Campos
Sábado, 25 de Abril de 2020
Ouvir aqui

A Força das Coisas
Antena2
Retransmissão do programa originalmente emitido em de Abril de 2014, aquando dos quarenta anos da revolução dos cravos e da edição do livro «Os Rapazes dos Tanques» do jornalista Adelino Gomes e do repórter fotógrafo Alfredo Cunha. Conversa entre protagonistas do histórico dia, na Escola Secundária Stuart de Carvalhais, em Massamá.
Realização de Luís Caetano
Sábado, 25 de Abril de 2020
Ouvir aqui

segunda-feira, 20 de abril de 2020

Radio Caroline















Ronan O'Rahilly
1940-2020 

Fundador da mais bela e romântica aventura de liberdade na Rádio.














domingo, 19 de abril de 2020

Hoje no Mundo














One World: Together at home 

Uma transmissão radiofónica das antigas em directo na Rádio Comercial, em simultâneo com a TVI, a partir da meia-noite. Apresentação de Nuno Markl e Diogo Beja. 

Na emissão mundial a apresentação está a cargo do trio de apresentadores norte-americanos Jimmy Fallon, Jimmy Kimmel e Stephen Colbert, todos eles autores de famosos ‘Talk Shows’ nocturnos da TV americana com passagem em canais por cabo em Portugal.
Uma canção por cada um dos artistas em directo de suas próprias casas, através das várias redes sociais presentes na Internet.
É uma espécie de Live Aid, 35 anos depois, agora através da Internet com transmissão televisiva e radiofónica em simultâneo na maior parte do Mundo. Uma homenagem aos serviços de saúde e seus profissionais com o intuito de angariar fundos para o combate à actual pandemia mundial da doença Covid-19.
Repetição Domingo à tarde a partir das 16:00, numa versão editada e reduzida a duas horas. 
Ouvir aqui 



LADY GAGA NA CURADORIA, PARTICIPAÇÕES DE: 
ADAM LAMBERT • ALICIA KEYS • AMY POEHLER • ANDRA DAY • ANDREA BOCELLI • ANGÈLE • ANITTA • ANNIE LENNOX • AWKWAFINA • BECKY G • BEN PLATT • BILLIE EILISH • BILLIE JOE ARMSTRONG • BILLY RAY CYRUS • BLACK COFFEE • BRIDGET MOYNAHAN • BURNA BOY • CAMILA CABELLO • CASSPER NYOVEST • CELINE DION • CHARLIE PUTH • CHRIS MARTIN • CHRISTINE AND THE QUEENS • COMMON • CONNIE BRITTON • DANAI GURIRA • DAVID & VICTORIA BECKHAM • DELTA GOODREM • DON CHEADLE • EASON CHAN • EDDIE VEDDER • ELLEN DEGENERES • ELLIE GOULDING • ELTON JOHN • ERIN RICHARDS • FINNEAS • HEIDI KLUM • HOZIER • HUSSAIN AL JASMI • IDRIS AND SABRINA ELBA • J BALVIN • JACK BLACK • JACK JOHNSON • JACKY CHEUNG • JAMEELA JAMIL • JAMES MCAVOY • JASON SEGEL • JENNIFER HUDSON • JENNIFER LOPEZ • JESS GLYNNE • JESSIE J • JESSIE REYEZ • JIMMY FALLON • JIMMY KIMMEL • JOHN LEGEND • JUANES • KACEY MUSGRAVES • KEITH URBAN • KERRY WASHINGTON • KESHA • LADY ANTEBELLUM • LADY GAGA • LANG LANG • LESLIE ODOM JR. • LEWIS HAMILTON • LIAM PAYNE • LILI REINHART • LILLY SINGH • LILY TOMLIN • LINDSEY VONN • LISA MISHRA • LIZZO • LL COOL J • LOLA LENNOX • LUIS FONSI • LUPITA NYONG’O • MALUMA • MAREN MORRIS • MATT BOMER • MATTHEW MCCONAUGHEY • MEGAN RAPINOE • MICHAEL BUBLÉ • MILKY CHANCE • NAOMI OSAKA • NATTI NATASHA • NIALL HORAN • NOMZAMO MBATHA • OPRAH WINFREY • PAUL MCCARTNEY • PHARRELL WILLIAMS • P.K. SUBBAN • PICTURE THIS • PRIYANKA CHOPRA JONAS • RITA ORA • SAM HEUGHAN • SAM SMITH • SAMUEL L JACKSON • SARAH JESSICA PARKER • SEBASTIÁN YATRA • SHAH RUKH KHAN • SHAWN MENDES • SHERYL CROW • SHO MADJOZI • SOFI TUKKER • STEPHEN COLBERT • STEVIE WONDER • SUPERM • TAYLOR SWIFT • THE KILLERS• THE ROLLING STONES • TIM GUNN • USHER • VISHAL MISHRA • ZUCCHERO • 

Mais informação aqui

sábado, 18 de abril de 2020

Luis Sepúlveda na Rádio

1949-2020 















Três emissões dedicadas ao grande escritor chileno, falecido esta semana em Espanha aos 70 anos de idade, vítima de Covid-19.
Conversas de Luis Sepúlveda ao longo do tempo com Luís Caetano na Antena2, nos mais interessantes e belos programas da actual Rádio portuguesa.

A Ronda da Noite
16 de Abril 2020
Ouvir aqui

A Ronda da Noite
17 de Abril 2020
Ouvir aqui

A Força das Coisas
18 de Abril 2020
Ouvir aqui

quarta-feira, 8 de abril de 2020

Um ano sem «Íntima Fracção»




















Infantis, gloriosamente ingénuos, com o coração cheio e alegremente indefeso, houve um momento em que acreditámos poder ser amados incondicionalmente. Que nenhum vento ou queda de água nos podia derrubar. Até que chegou a violência da corrente. E as estrelas, à noite, transformaram-se-nos em pó.

Hoje seria o dia em que a «Íntima Fracção» completaria 36 anos de emissões
Com o fim da «Íntima Fracção» termina uma dimensão sonora que só neste programa de Rádio se poderia encontrar. É todo um universo sensorial e único que se fecha sobre si próprio, do qual se fica arredado. A não ser, claro, que se redescubra toda essa atmosfera deste vasto território da memória sentimental, disponível em ficheiros digitais actualmente existente na Internet. Todo o acervo analógico não está acessível nem, em abono da verdade, estará. É fisicamente impossível reconvertê-lo por inteiro e disponibilizá-lo em toda a sua inteireza. Surgirão, todavia, de vez em quando aqui, algumas das emissões mais relevantes, juntando a outras entretanto já disponibilizadas digitalmente ao longo de um notável percurso.

Primeiro, foi um lento acordar no meio da noite longa e deserta. Depois, a luz que riscava o escuro e um cometa de esperança. O traço azul no futuro incandescente. Bonecas Daruma: cair sete vezes e levantar-se oito. Uma idade de ouro. O silêncio e o regresso. O vento, o exílio, o abandono, a perplexidade. Depois de passados trinta e cinco anos sobre a noite inicial, a «Íntima Fracção» luta pela sua sobrevivência, mas não a garante. Há sempre pouco para dizer, muito para escutar e tudo para sentir. Ainda e sempre à espera de um sinal, de uma resposta, da intimidade de uma esperança. 

As várias fases do programa 
No texto anterior, dito pelo autor Francisco Amaral na emissão dos 35 anos da «Íntima Fracção», o primeiro momento (um lento acordar no meio da noite longa e deserta) refere-se ao aparecimento do programa num panorama radiofónico cinzento e pouco atraente do principal canal público de radiodifusão. A «Íntima Fracção» surgiu contra corrente na Antena1, numa altura em que as emissões radiofónicas, no panorama geral a nível nacional, eram muito agitadas. Os programas mais reflexivos não eram abundantes e ainda não tinha eclodido o movimento das rádios piratas, que viriam alterar para sempre a variedade de escolhas disponíveis.
O segundo grande momento referido (a luz que riscava o escuro e um cometa de esperança) aconteceu a partir de 1986, aquando da passagem do cometa Halley. Um período frondoso do programa, a tornar-se referência e a ser contactado pelos ouvintes através de cartas.
O momento seguinte, terceiro e último nos mais de cinco anos na Antena1 (cair sete vezes e levantar-se oito) está directamente ligado ao desejo de mudança e de partida. A «Íntima Fracção» encontrava-se no limiar do desaparecimento. Surge então o mais longo e feliz período de vida do programa, por mais de 15 anos na TSF (Uma idade de ouro). Num primeiro momento ainda e só um privilégio para os ouvintes da zona centro do país a partir dos estúdios da então recém-criada RJC-Rádio Jornal do Centro/TSF-Coimbra, entre Outubro de 1989 e Setembro de 1990.
A partir de Outubro de 1990, a «Íntima Fracção» regressou à transmissão a nível nacional através da rede de emissores da TSF, que na altura se encontrava em franca expansão. A fase seguinte (O silêncio e o regresso) corresponde ao abrupto fim do programa na TSF em Setembro de 2003. O regresso deu-se na Internet ainda nesse ano. (O vento, o exílio, o abandono, a perplexidade). 
De então e até ao fim, a «Íntima Fracção» viveu em pleno na era digital, com distribuição permanente em várias plataformas, incluindo o EXPRESSO-Online, a par de transmissões regulares em várias estações de Rádio, como por exemplo a RUC, RUM, RCP e, por fim, a RADAR.
























A «Íntima Fracção» não partiu do zero. Teve um embrião. Houve um programa imediatamente antecessor, idealizado e realizado pelo mesmo autor. Intitulou-se «A Travessia do Deserto» que durou poucos meses, entre Outubro de 1983 e Março de 1984, apenas com transmissão na emissão regional da RDP-Centro, em Coimbra. Em Abril de 1984 deu-se início a uma nova grelha nacional na Antena1 e o projecto apresentado à Direcção de Programas teve luz verde para avançar, muito por força decisiva de Estrela Serrano, que defendeu a ideia de a nova grelha de programação integrar um programa com as características específicas da «Íntima Fracção».
Foi assim, neste contexto, que foi para o 'Ar' a emissão inaugural da «Íntima Fracção», na noite de Sábado para Domingo, da meia-noite às duas, 8 de Abril de 1984. Ainda sem o indicativo de abertura e fecho, o instrumental «Mar de Outubro», uma vez que o álbum «A Um Deus Desconhecido» dos Sétima Legião não tinha ainda sido editado.
Antes da curta série «A Travessia do Deserto», as influências radiofónicas mais marcantes e que viriam a fazer sentir-se com maior evidência na «Íntima Fracção» brotaram essencialmente de três fontes: «Em Órbita», na sua primeira fase, na infância e adolescência de Francisco Amaral. Programa onde só era transmitida música anglo-saxónica - uma novidade na época em Portugal -, em pleno Estado Novo, a meio da década de sessenta; Também uma cura série de programas com o actor Rui Pedro, à noite, no início dos anos 70 na Emissora Nacional. E por fim, já na primeira metade da década de 80, o programa de Miguel Esteves Cardoso «W» com a voz de João David Nunes, no então denominado FM-Estéreo da Rádio Comercial.

Nada acontece de novo no Mundo e, no entanto, nada se repete. Porque a nossa maneira de ver modifica-se e transforma o sentido dos nossos actos. 
Henrik Ibsen 

Textos (citados em itálico) premonitórios de Francisco Amaral, incluídos nas duas derradeiras emissões da «Íntima Fracção», antevendo a ultrapassagem da linha limite.

Íntima Fracção - 35 anos 
10 de Abril de 2019
Ouvir aqui

Íntima Fracção - última emissão 
17 de Abril de 2019
Ouvir aqui 

quarta-feira, 1 de abril de 2020

Em Órbita 55 anos

Para muitos ouvintes, especialmente para uma geração, «Em Órbita» fica para a longa História da Rádio em Portugal como o mais importante programa de todos 

























1 de Abril de 1965 
Ao longo dos 15 anos da «Rádio Crítica» foram publicados vários artigos sobre o programa «Em Órbita», desde 2006 até 2019.
Os textos incluem ligações a outros artigos, incluindo imagem e som, relacionados com o mítico programa.

O MELHOR DE TODOS?
Em Órbita (1965-2010)
Em Órbita 50 anos
Jorge Gil 1945-2019

Ficam aqui alguns recortes de jornais encontrados no espaço público da Internet em sítios diversos, nem todos com autor identificado. São as imagens possíveis de um programa de Rádio que existiu, na sua fase primordial, fora da época da imagem.



Século Ilustrado (14 de Janeiro de 1967) 







Século Ilustrado (14 de Janeiro de1967 

segunda-feira, 30 de março de 2020

Miguel Decq Mota

1976-2020 


Radialista da TSF-Açores. Tinha 44 anos de idade.
Notícia no jornal «Açoriano Oriental» aqui

sexta-feira, 20 de março de 2020

Estado de Emergência




















Covid-19 | Coronavirus 2020 

Está em vigor desde a meia-noite do dia 19 de Março de 2020 o Estado de Emergência em Portugal 
Nestes dias de recolhimento e isolamento social é absolutamente crucial que a população se mantenha o mais informada possível. Os quiosques e os pontos de venda de jornais e revistas continuam abertos ao público. A Televisão e a Rádio continuam a funcionar 24 horas por dia.
Destaque para as estações de Rádio que tratam a informação em directo ao minuto.

Ouvir os noticiários em directo na Rádio é altamente aconselhável neste momento de enorme sensibilidade. Os noticiários radiofónicos são os mais credíveis de todos os órgãos de comunicação social, seja em que país for. A informação da Rádio é concisa, idónea, não é alarmista, separa o trigo do joio, é concreta, sintética, de fácil compreensão e actualizada de hora a hora, de meia em meia hora ou sempre que se justifique.

TSF-Rádio Notícias
Ouvir aqui

Antena1
Ouvir aqui

Rádio Renascença
Ouvir aqui

Rádio Observador
Ouvir aqui

quinta-feira, 19 de março de 2020

Sem Medo do Medo















A TSF estreou um novo espaço diário de informação para ajudar a lidar com os efeitos colaterais da Covid-19. Uma parceria TSF/Ordem dos Psicólogos.
Mais informação aqui

Sem Medo do Medo
TSF-Rádio Notícias 
2ª a 6ª feira às 09:30
Ouvir aqui















A maior parte do que vem à rede é falso ou manipulado
Notícia TSF aqui

Correntes d'Escritas 2020





































A edição deste ano do festival literário «Correntes d'Escritas» na Póvoa de Varzim foi mais falada nos média por ter lá estado o escritor Luis Sepúlveda do que pela edição em si, o que mostra bem  uma vez mais  o nível com que a Cultura é tratada neste país.
Sortilégios e desvios à parte, após essa notícia de que o escritor chileno contraiu Coronavirus (cujos sintomas surgiram dois dias após ter deixado Portugal), vale a pena escutar algumas das sessões gravadas para a Rádio.
Como sempre acontece, Luís Caetano, no mais belo e interessante programa diário da actual Rádio portuguesa, esteve lá e leva mais longe e por muito mais tempo alguns dos grandes momentos do festival «Correntes d'Escritas».
Nesta vigésima primeira edição há para ouvir, depois das passagens no ar na Antena2, alguns desses momentos que nos fazem pensar, reflectir, sonhar e sorrir. Sempre a conhecer novas facetas dos autores, das obras, da Literatura, da Vida, do Mundo, de todos nós.

A Ronda da Noite
24 de Fevereiro de 2020
Jaime Rocha sobre o livro «Mulher e Um Cão Que Dança»; Homenagem a Hélia Correia e Poesia de Elisa Lucinda.
Ouvir aqui


A Ronda da Noite
25 de Fevereiro de 2020
O festival literário «Correntes de Escritas» em Lisboa, no Instituto Cervantes.
Ouvir aqui


A Ronda da Noite
27 de Fevereiro de 2020
Francisco Duarte Mangas sobre «A Cidade das Livrarias Mortas» e Poesia de Inês Fonseca Santos.
Ouvir aqui


A Ronda da Noite
28 de Fevereiro de 2020
Júlio Machado Vaz e Francisco Guedes sobre Ciência, Poesia e muito mais.
Ouvir aqui


A Ronda da Noite
10 de Março de 2020
Clara Usón em «O Assassino Tímido»; Rui Lage no projecto «Pecados Correntes».
Ouvir aqui


A Ronda da Noite
12 de Março de 2020
Luis Sepúlveda, Marta Orriols, José Luís Peixoto, Paula Lobato de Faria, José Gardeazabal e Michael Kegler na mesa das Correntes d'Escritas que teve por mote 'Era uma vez a liberdade'. 
Ouvir aqui


A Ronda da Noite
13 de Março de 2020
A editora «Exclamação» e a apresentação de várias novidades desta jovem chancela.
Ouvir aqui


Por tempo indeterminado a programação da Antena2 está sujeita a um plano de contingência, assim como a maioria das estações de Rádio nacionais. Actualmente o programa «A Ronda da Noite» está a repetir algumas das emissões anteriores. 




Prémios de Rádio adiados







Também os prémios anuais de Rádio atribuídos pela SPA-Sociedade Portuguesa de Autores ficam adiados, ainda sem data definida.
A Gala Prémio Autores estava prevista para dia 26 deste mês, onde se entregaria, entre três nomeados, o prémio de Melhor Programa de Rádio.
O Prémio Igrejas Caeiro, atribuído a uma personalidade do mundo da Rádio, estava previsto ser entregue numa cerimónia no dia 8 de Abril encontra-se, igualmente, sem nova data. Este ano o galardão é atribuído a João David Nunes.
Mais informação aqui

Nova data

















A conferência mundial sobre a Indústria da Rádio estava, inicialmente, prevista para este mês de Março, mas devido à actual pandemia Coronavirus Covid-19, o evento foi adiado agora para o final do ano, entre 13 e 15 de Dezembro.
O evento realizar-se-á no Centro de Congressos de Lisboa.
Mais informação aqui

quarta-feira, 18 de março de 2020

TSF Covid-19















A TSF estreou esta semana à tarde um novo espaço interactivo que visa responder a todas as questões dos ouvintes sobre a actual pandemia mundial que afecta Portugal. 
Mais informação aqui 

COVID-19: Perguntas com Resposta 
Uma iniciativa TSF em parceria com o Instituto de Higiene e Medicina Tropical, da Universidade Nova de Lisboa e a Direcção-Geral da Saúde. 

2ª a 6ª feira 15:00/16:00; repetição 21:00/22:00

Ouvir programas aqui | Ouvir em directo aqui   

terça-feira, 17 de março de 2020

Pedro Barroso

1950-2020 




















Também foi da Rádio
Começou no Teatro Radiofónico da Emissora Nacional em 1965 e foi realizador de um programa de Musicoetnologia na Antena2.
Uma conversa em duas partes com Pedro Barroso na Antena2, originalmente transmitidas em Janeiro de 2018, no programa «A Ronda da Noite» de Luís Caetano.

1ª parte, 18 de Março
Ouvir aqui

2ª parte, 19 de Março
Ouvir aqui

Festival Eu Fico Em Casa
























Mesmo à distância, estamos todos juntos: artistas, editoras, agências, meios de comunicação, influencers e todos quantos quiserem juntar-se a este Festival Eu Fico Em Casa
Entre os dias 17 e 22 de Março, em directo no Instagram, perto de uma centena de intérpretes, músicos e autores nacionais vão dar 'concertos' individuais de cerca de 30 minutos, a partir das suas próprias casas, com dois grandes objectivos: levar a música a todos os que ficaram privados dos concertos que foram cancelados em todo o país e, acima de tudo, sensibilizar a população portuguesa para a urgência de ficar em casa nesta altura tão crítica. 
Mantenham-se seguros, fiquem atentos e passem a palavra: todos os detalhes em https://www.instagram.com/festivaleuficoemcasa/
























A transmissão de cada concerto será feita na conta de Instagram de cada um dos artistas que participam na iniciativa ou através da conta de Instagram criada propositadamente para o Festival @FestivalEuFicoEmCasa

Horários

17/MARÇO 

17h00 – Bárbara Tinoco  @tinoco.barbara
17h30 – André Henriques  @_andrehenriques_
18h00 – Elisa Rodrigues  @elisarodrigues.music
18h30 – Buba Espinho  @buba_espinho
19h00 – Filipe Gonçalves  @filipegoncalves_oficial
19h30 – João Pedro Pais  @jpedropais
20h00 – DOMI  @domi_8500
20h30 – Cristina Branco  @cristinabrancoficial
21h00 – Boss AC  @bossacoficial
21h30 – Diogo Piçarra  @diogopicarra
22h00 – David Fonseca  @davidfonseca
22h30 – Samuel Úria  @samueluria
23h00 – BRANKO  @brankoofficial 

18/MARÇO

17h00 – Tiago Nacarato  @tiago_nacarato
17h30 – Lince  @lince.music
18h00 – Irma  @irma_______________
18h30 – Filho da Mãe  @umfilhodamae
19h00 – André Sardet  @andresardetoficial
19h30 – Tomás Adrião  @tomas__adriao
20h00 – Chico da Tina @chicodatina_almostofficial
20h30 – April Ivy  @aprilivymusic
21h00 – Murta  @bymurta
21h30 – Fernando Daniel  @ofernandodaniel
22h00 – Márcia  @marciaoficial_insta
22h30 – Noiserv  @noiserv
23h00 – Supa Squad  @supasquadmusic 

19/MARÇO

17h00 – Paulo Sousa @paulonsousa
17h30 – Afonso Cabral  @afonsoc
18h00 – Joana Espadinha & Cassete Pirata  @joanaespadinha & @cassetepirataoficial
18h30 – Tainá  @tainamusic
19h00 – Fábia Rebordão  @fabiarebordao
19h30 – Bispo  @bispo2725
20h00 – Mirai  @eversenpai
20h30 – Marta Carvalho  @martacarvalhomusic
21h00 – António Zambujo  @antonio.zambujo
21h30 – Mafalda Veiga  @mafalda_v
22h00 – Matias Damásio  @matias_damasio_oficial
22h30 – Prodígio  @pro2da
23h00 – DJ RIDE  @djride_beatbombers 

20/MARÇO

17h00 – Tomás Wallenstein  @tomaswallenstein
17h30 – Sean Riley  @seanrileyandtheslowriders
18h00 – Frankie Chavez  @frankie_chavez
18h30 – Catarina Munhá  @catarinamunha
19h00 – Kalú  @kaluferreira58
19h30 – Cláudia Pascoal  @claudiapascoal_
20h00 – Nelson Freitas  @iamnelsonfreitas
20h30 – Marco Rodrigues  @marcorodrigues_oficial
21h00 – AGIR  @agirofficial
21h30 – Pedro Abrunhosa  @pedro.abrunhosa
22h00 – Capicua  @a_capicua
22h30 – Pedro Mafama  @pedromafama
23h00 – Stereossauro  @stereossauro_beatbombers 

21/MARÇO

17h00 – Valas  @johnnyvalas
17h30 – O Gajo  @_ogajo_
18h00 – Joana Almeida  @joanaalmeidafado
18h30 – Luís Severo  @luissevero_
19h00 – Benjamim  @eusouobenjamim
19h30 – Jorge Benvinda  @jorgembenvinda
20h00 – Cálculo  @ocalculo
20h30 – Rui Massena  @ruimassenamaestro
21h00 – Héber Marques  @heber_marques
21h30 – Carolina Deslandes  @carolinadeslandes
22h00 – The Legendary Tigerman  @thelegendarytigerman
22h30 – Ana Bacalhau  @anabacalhau
23h00 – Moullinex  @moullinex 

22/MARÇO

17h00 – Fausto Bordalo Dias  @festivaleuficoemcasa
17h30 – João Só  @joao.so.insta
18h00 – Sara Correia  @saracorreiafado
18h30 – Júlio Resende  @julioresende.piano
19h00 – Selma Uamusse  @selma_uamusse
19h30 – Ricardo Ribeiro  @ricardoribeiromusic
20h00 – Best Youth  @wearebestyouth
20h30 – Nuno Ribeiro  @nunoribeiro_oficial
21h00 – Ana Moura  @anamourafado
21h30 – David Carreira  @davidcarreiraoficial
22h00 – Luísa Sobral  @luisasobral
22h30 – Tiago Bettencourt  @tiagobettencourt
23h00 – Xinobi  @xinobi