quinta-feira, 31 de maio de 2012

Hoje em COIMBRA


quarta-feira, 30 de maio de 2012

Afastar as nuvens para longe



















É preciso compreender todas as regras para ser capaz de não cumprir nenhuma.
Enquanto não compreender as regras, continuarei a cumpri-las.
Obedeço inevitavelmente àquilo que não vejo. É preciso ver para não obedecer. Para me distinguir do outro.
Ignorar as regras é ser seu instrumento. A sua vítima.
Conhecer os laços que me prendem é aprender a sair deles.
É pela visão que saio. É pelo conhecimento.

Francisco Amaral
In: «Íntima Fracção»
IF 41 - EXPRESSO online
07 de Maio 2012

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Push the clouds away


















O inferno dos vivos, se houver um, é o que já está aqui. O inferno que habitamos todos os dias, que nós formarmos ao estarmos juntos.
Há dois modos para não sofrermos. O primeiro torna-se fácil para muita gente: aceitar o inferno e fazer parte dele, ao ponto de já não o vermos. O segundo é arriscado. Exige uma atenção e uma aprendizagem contínuas. Tentar e saber reconhecer, no meio do inferno, quem – e o que – não é inferno. E fazê-lo viver. E dar-lhe lugar.

Francisco Amaral
In: «Íntima Fracção»
IF 41 - EXPRESSO online
07 de Maio 2012

sábado, 26 de maio de 2012

Hoje em LISBOA





















Jornalismo em reflexão

1 ª Sessão: 14:45

O que é que os consumidores querem? Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades dos leitores e consumidores de informação? O que os atrai num mundo de excesso de informação? Qual o real valor da informação? Que tipos de propostas editoriais as pessoas estão, de facto, disponíveis para pagar? O que consomem no online e no papel? Será que os consumidores querem criar comunidades para costumarem a – sua – informação? Esta será a sessão dos leitores e dos que fazem da informação e da sua disseminação a matéria-prima para trabalhar. Eles serão a voz do lado da procura no enorme mercado dos média e da informação de massas.

Oradores: Alberto Rui Pereira, director geral da Initiative, Cândida Almeida, directora do DCIAP, João Botelho, realizador, e José Pacheco Pereira, historiador. Moderador: Luís Reis Ribeiro.

2 ª Sessão: 16:45

Como estão e vão mudar os órgãos de comunicação social? – Um inquérito às posições de chefia em Portugal. Como evoluíram as redacções nos últimos anos e que segurança temos relativamente aos próximos cinco? Que impacto estão a ter as transformações tecnológicas nas notícias? E nos jornalistas, que novas competências lhes são exigidas? As barreiras entre o jornalismo e a publicidade estão ameaçadas? E qual a importância de um jornalismo mais especializado? Foi para estas e outras perguntas que foi pedida a opinião a jornalistas em cargos de responsabilidade editorial através de um inquérito realizado pelo Centro de Estudos e Sondagens de Opinião (CESOP) da Universidade Católica que terá a sua apresentação pública este sábado. O jornalismo e o seu futuro serão debatidos a partir das respostas dadas por dois terços das chefias de 21 órgãos de comunicação social portugueses.

Oradores: Adelino Gomes, jornalista, investigador PJS, José Vítor Malheiros, jornalista, e Rogério Santos, docente da Universidade Católica Portuguesa. Moderador: Rui Peres Jorge.

Colóquio na Casa da Imprensa, Lisboa.
Rua da Horta Seca, nº. 20
1200 - 221 Lisboa

quarta-feira, 23 de maio de 2012

A terceira vida















Depois de uma primeira existência na Rádio em directo nos anos 2000 e 2001, depois de uma segunda vida estreada na Internet nos anos 2006 e 2007, a série de programas «Como no Cinema» regressa agora, na sua totalidade à WEB, por via do recentemente inaugurado portal Phase 108.1

A Internet não é o fim da Rádio. É o futuro!






Phase 108.1 a rádio de autor para lá do FM

Lista completa das 40 edições aqui: http://comonocinema.blogspot.pt

-----------------------------------------------------------------------------
O que eles dizem (90):

Na melhor das hipóteses, um grande escritor acrescenta grafites às paredes já existentes da casa.
George Steiner

terça-feira, 22 de maio de 2012

Na próxima sexta-feira e Sábado





















SENSIBLE SOCCERS / TREN GO! SOUND SYSTEM / BIRDS ARE INDIE / FLIP GRATER / RAS RASMUSSON / ERICA BUETTNER

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Robin Gibb
















1949-2012

Foi um dos principais vocalistas da banda formada na Austrália em 1958, juntamente com os irmãos Barry e Maurice.
Ainda houve uma curta fase em que os irmãos foram quatro, com o mais novo [Andy Gibb, 1958-1988] a ser o primeiro a partir.
Desde certa altura, na longa carreira de décadas dos Bee Gees, Robin foi ganhando o estatuto de cantor principal, mantendo em paralelo uma carreira a solo desde 1970.
Das várias fases que Robin Gibb teve com os restantes irmãos Gibb, destacam-se três:
A primeira ainda nos anos sessenta, com a composição de baladas que ainda hoje ecoam na memória de muita gente; uma segunda, aquando da banda sonora do filme «Saturday Night Fever», em 1977, que mais tarde viria a ser rejeitada por uma grande parte da indústria musical, no declínio vertiginoso do estilo Disco-Sound e, por fim, uma terceira fase iniciada ainda em finais dos anos 80 – a da celebração – que culminou com a morte de Maurice [1949-2003].
Foi nesse dia, a 21 de Janeiro de 2003, que os Bee Gees anunciaram oficialmente o fim.
O último disco de Robin Gibb foi editado em Março. Um Requiem em tributo ao centenário da tragédia do Titanic.

Ouvir noticia aqui















A família Gibb na imagem. Dos irmãos Gibb, já só resta o mais velho, Barry, que tem 65 anos de idade.
A mãe Barbara, de 99 anos e actualmente a viver em Las Vegas, já viu partir três dos seus quatro filhos que, em certa altura, estiveram todos juntos nos Bee Gees.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------
O que eles dizem (89):

Robin was 'part of the family'. I love the Bee Gees voices, they're some of my favorite singers. I am so sad to hear about his passing, my heart goes out to his family and fans.

Brian Wilson
In: Facebook
Segunda-feira, 21 de Maio 2012

domingo, 20 de maio de 2012

Anastasis world tour


















Digressão mundial dos Dead Can Dance em 2012

América do Norte:

Aug. 09: Orpheum, Vancouver, BC, Canada
Aug. 10: Marymoor Amphitheater, Seattle, WA, USA
Aug. 12: Greek Theater, Oakland, CA, USA
Aug. 14: Gibson Amphitheater, Los Angeles, CA, USA
Aug. 17: Red Butte Garden, Salt Lake City, UT, USA
Aug. 19: Temple Hoyle Buell Theater, Denver, CO, USA
Aug. 21: Pritzker Pavillion at Millenium Park, Chicago, IL, USA
Aug. 23: Sony Center for the Performing Arts, Toronto, ON, Canada
Aug. 24: Bell Centre, Montreal, QC, Canada
Aug. 26: Verizon Hall, Kimmel Center for the Performing Arts, Philadelphia, PA, USA
Aug. 27: Filene Center, Wolftrap, Vienna, VA, USA
Aug. 29: Beacon Theater, New York, NY, USA
Aug. 30: Beacon Theater, New York, NY, USA
Sept. 04: Ryman Auditorium, Nashville, TN, USA
Sept. 05: Cobb Energy Performing Arts Center, Atlanta, GA, USA
Sept. 07: Austin City Limits, Moody Theater, Austin, TX, USA

Europa:

Sept. 19: HCTAT, Istanbul, Turkey
Sept. 21: Earth Theatre, Thessaloniki, Greece
Sept. 23: Lycabetus Theatre, Athens, Greece
Sept. 25: MCV, Utrecht, Holland
Sept. 27: Grand Rex, Paris, France
Sept. 29: Cirque Royal, Brussels, Belgium
Oct. 01: Alte Oper, Frankfurt, Germany
Oct. 03: Tempodrom, Berlin, Germany
Oct. 05: CCH, Hamburg, Germany
Oct. 07: Philharmonie, Munich, Germany
Oct. 08: Philharmonie, Cologne, Germany
Oct. 10: KCP, Prague, Czech Republic
Oct. 12: Bkz Oktyabrsky, St. Petersburg, Russia
Oct. 13: Crocus City Hall, Moscow, Russia
Oct. 15: Sala Kongresowa, Warsaw, Poland
Oct. 17: Papp Laszlo Arena, Budapest, Hungary
Oct. 19: Teatro Degli Arcimboldi, Milan, Italy
Oct. 20: Batiment Des Forces Motrices, Geneva, Switzerland
Oct. 22: Auditori, Barcelona, Spain
Oct. 24: Casa Da Musica, Porto, Portugal
Oct. 26: Royal Albert Hall, London, England
Oct. 28: Grand Canal Theatre, Dublin, Ireland

Estão ainda por anunciar as datas da digressão no médio oriente, Ásia e Oceania.

sábado, 19 de maio de 2012

Hoje em COIMBRA
































NOITE DOS MUSEUS NA UC
19 de Maio de 2012 / 20h00 às 24h00


MUSEUS EM FESTA 2012 Em 1977, o Conselho Internacional de Museus (ICOM) criou o Dia Internacional dos Museus, assinalado no dia 18 de Maio, com o intuito de sensibilizar o público para o papel dos museus no desenvolvimento da sociedade. Desde então, este acontecimento tem beneficiado de uma popularidade crescente, sendo celebrado em todos os continentes. O tema escolhido pelo ICOM para as comemorações do Dia Internacional dos Museus em 2012 é: “MUSEUS NUM MUNDO DE MUDANÇA: Novos Desafios, Novas Inspirações”. A Noite dos Museus, iniciativa proposta em 2005 pelo Ministério da Cultura e da Comunicação de França, realiza-se este ano a 19 de Maio, Sábado.
A Universidade de Coimbra associa-se mais uma vez a estas comemorações tendo os seus espaços abertos gratuitamente no dia 19 a partir das 20 horas até por volta da meia-noite – e irá proporcionar a todos os visitantes um conjunto de iniciativas muito diversificadas.

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Anastasis





















O novo álbum dos Dead Can Dance vai ser editado este Verão, com data marcada para dia 9 de Agosto. «Anastasis» é o primeiro trabalho de originais desde 1996 e é com base neste novo disco que o colectivo liderado por Brendan Perry e Lisa Gerrard realizará uma digressão mundial a ter início precisamente no dia 9 de Agosto na América do Norte (Canadá).
A reunião da banda australiana fundada – sob a actual designação – em 1981 segue-se a uma outra, levada a cabo em 2005, da qual resultou um conjunto de registos gravados ao vivo apenas disponíveis em CD no final de cada concerto e, posteriormente, via Internet.

Uma chamada de atenção para os habituais ouvintes de Rádio: não tentem escutar música dos Dead Can Dance em rádios nacionais. É impossível de encontrar!

The new album title is an ancient Greek word and its meaning is connected to the notion of rebirth.

Brendan Perry
In: Slicing Up Eyeballs
Segunda-feira, 14 de Maio 2012

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Hoje na RADAR




















O programa «Álbum de Família», com realização de Tiago Castro, é esta semana dedicado ao músico português Bernardo Sassetti, recentemente falecido.
«Nocturno» é um trabalho do ano 2002, com os parceiros musicais Carlos Barretto e Alexandre Frazão.

Álbum de Família
RADAR
4ª Feira às 14:00; Domingo às 12:00
2ª Feira [da semana seguinte] às 23:00


Também na RADAR, a mais recente edição do programa «Em Transe», de Ricardo Mariano e Ricardo Carvalho, foi dedicada à obra de Bernardo Sassetti e encontra-se disponível para escuta e/ou gravação aqui


segunda-feira, 14 de maio de 2012

Para lá do FM






Nasceu hoje [25 de Abril] um novo agregador de podcasts. Estende-se além do espectro radiofónico (FM), uma décima adiante: chama-se Phase 108.1
É um detalhe que acaba por definir o conceito que, não sendo novo, é pouco habitual. Isto porque há quem já tivesse dado por finado o formato (podcast), e indirectamente os projectos de composição radiofónica feitos em casa, de forma livre, descomprometida, mas rigorosa e empenhada, e porque não dizer, apaixonada.
O podcast musical made in Portugal ainda tem cartas para dar, e no Phase 108.1 encontram-se vários exemplos. Ali podemos ouvir/descarregar os diferentes programas individualmente, consultar os respectivos alinhamentos, e na secção “playbox” é possível elaborar uma playlist que garante a audição contínua de muitas horas de programas de autor, de diferentes espectros musicais, gostos, técnicas e sensibilidades. Coisa cada vez mais rara na Rádio tradicional, mas que felizmente, a internet proporciona: programas de Rádio feitos com liberdade.
O Phase 108.1 é um projecto elaborado por Firmino Pereira, e que conta para já, com os trabalhos de Ema Inácio, Firmino Pereira, Francisco Mateus, Irmandade do Éter, Jorge Paulino, Nídio Amado, Pedro Esteves e Sofia Saldanha.
Outros virão a juntar-se.

Pedro Esteves
In: NetFM
25 de Abril 2012

Phase 108.1 > a rádio de autor, para lá do FM

sábado, 12 de maio de 2012

Hoje em BARCELOS


segunda-feira, 7 de maio de 2012

Irmandade do Éter #004 - Descoberta















Encontra-se publicada a quarta composição do colectivo de autores «Irmandade do Éter», dedicada à "Descoberta".
Pedro Esteves, Nídio Amado, Ricardo Mariano, Firmino Pereira, Francisco Amaral, Hugo Pinto e Francisco Mateus.

DOWNLOAD

Alinhamento:

Pedro Esteves (lado B)
M83 – Coloring the void (digital shades, vol. 1)
M83 – Sister [part 1] (digital shades, vol. 1)
M83 – Strong and wasted (digital shades, vol. 1)

Nídio Amado (O Cubo)
Balam Acab – Welcome
Active Child – You Are All I See

Ricardo Mariano (Vidro Azul)
Chris Watson – La Anunciante (extracto)
Greg Haines – 183 Times (extracto)
Chris Watson – Vera Cruz (extracto)

Firmino Pereira (Bitsounds)
Death in Vegas – Girls
Mogwai – Take Me Somewhere Nice

Francisco Amaral (Íntima Fracção)
TBA - Silently (extracto)
Cliff Edwards – Wish upon a star (extracto)
Burial + Four Tet – Nova (shorter remix)
Rich Aucoin – Watching Herzog and listening to The Idiot
Grimes – Know the way (outro)
Spandau Ballet – True (extracto)
TBA – Silently (extracto)
Plastiq Phantom and Combustion – FOTB titles

Hugo Pinto (Miss Tapes)
Blanck Mass – Weakling Flier
Maxxi & Zeus – The Struggle (excerto)
Balam Acab – Now Time

Francisco Mateus (Rádio Crítica)
David Sylvian – Where's Your Gravity?
Peggy Lee – Is That All There Is?

IdE #004 - Descoberta
Download: [
MP3 | ZIP
]
Tempo total: 01:06:48
Data de publicação: Terça-feira, 01 de Maio de 2012

IdE #003 - Desafio
Download:
[MP3 | ZIP]
Tempo total: 01:05:02
Data de publicação: Sábado, 11 de Fevereiro de 2011


IdE #002 - Salvação
Download: [MP3
| ZIP]
Tempo total: 01:22:18
Data de publicação: Quarta-feira, 14 de Dezembro de 2011

IdE #001 - Liberdade
Download: [
MP3 | ZIP]
Tempo total: 01:10:42
Data de publicação: Sábado, 05 de Novembro de 2011

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Falta um mês

O meu trabalho sempre foi medir a distância entre a realidade e o sonho americano – o quão distante está uma coisa da outra em determinado momento
















E-Street Band em 2007 (da esquerda para a direita): Danny Federici [teclista, falecido em 2008]; Max Weinberg (baterista); Nils Lofgren (guitarrista); Roy Bittan (teclista); Clarence Clemons [saxofonista, falecido em 2011]; Bruce Springsteen (voz e guitarra); Patti Scialfa (guitarra acústica); Steve Van Zandt (guitarrista); Garry Tallent (baixista).

É grande a ligação da obra de Bruce Springsteen ao mundo da Rádio.
São várias as composições do Boss que se referem às ondas hertzianas. Para além do relativamente recente tema "Radio Nowhere" (2007), há duas canções que têm ligação directa à Rádio: "Save My Love", editado em 2010, mas gravado em 1978 aquando das sessões do álbum «Darkness of the Edge of Town», e "Bobby Jean", do famosíssimo «Born In The USA» (1984).

Bruce Springsteen & The E-Street Band - "Save My Love" (1978)
[Edição em 2010]:



Now there’s something coming through the air
That softly reminds me
A voice is coming through
So keep me in your heart tonight
So turn up your radio and darling dial me in close
We’re riding on the airwaves
Just let the music take us
And carry us home
There’s a prayer coming through the air
And it’s shot straight through my heart
Tearing open the evening sky and tearing me apart
Now I’ll ride that signal down the line
I’m home again with you
So turn up your radio
And I’ll save my love for you
Turn up your radio and I’ll save my love for you

Bruce Springsteen & The E-Street Band - "Bobby Jean" (1984)
[Ao vivo em Hyde Park, Inglaterra, em 2009]:



In some motel room therell be a radio playing
And you'll hear me sing this song
Well if you do you'll know Im thinking of you and all the miles in between
And Im just calling one last time not to change your mind
But just to say I miss you baby, good luck goodbye, bobby jean

O que eles dizem (88):

Eu só disse: "quero tocar na tua banda!". Tocámos "Spirit of The Night", olhámos um para o outro e não foi preciso dizer mais nada. Soubemos logo que éramos aquilo que faltava na vida um do outro. No fundo ele não passava de um miúdo escanzelado. Mas era um visionário e queria seguir o seu sonho. A partir daí, eu passei a fazer parte da história.

Clarence Clemons


Conheci o Clarence quando eu tinha 22 anos – é a idade do meu filho. Olho para o meu filho e ele ainda é uma criança... Aos 22 anos és um puto! Acho que o Clarence teria uns 30 na altura, portanto ele remonta ao início da minha vida adulta.
Tivemos uma relação que foi, diria, essencial desde o início. Não passava pelo que dizíamos um ao outro, mas sim pelo que acontecia quando estávamos juntos. Algo acontecia que fazia disparar a imaginação das pessoas, a minha própria imaginação e os meus sonhos.
Fez-me querer escrever canções para aquele saxofone.
Perder o Clarence foi como perder algo elementar, como a chuva ou o ar.
Mas faz parte da vida. A corrente da vida afecta até o mundo de sonho da música popular; não há fuga possível.

Bruce Springsteen
In: «BLITZ»
Abril 2012



















Desde o início da carreira que Springsteen tem ocupado as rádios um pouco por todo o mundo.
Em Portugal tem conhecido presença assídua, através de canções que percorrem várias etapas e diferentes facetas da sua já longa carreira de quatro décadas.
No entanto, os tempos primordiais estão totalmente votados ao esquecimento. O que mais se escuta na Rádio em Portugal são temas muito conhecidos, de grande sucesso e de enorme projecção comercial.
Houve um tempo em que não foi assim. Mesmo depois do estoiro à escala mundial de «Born in the USA» em 1984 – que colocou o Boss na dimensão estelar de Michael Jackson e Madonna – houve um período, de certa forma curto, em que canções dos aos 70 e da primeira metade da década e 80 tinham passagem na Rádio. Para tal facto contribuiu de forma decisiva a edição de uma caixa de cinco discos em vinil (3 CD's) da colectânea «Bruce Springsteen & The E-Street Band Live 1975-1985», editada em Outubro de 1986, a partir da qual muita da obra anterior do autor de «Born to Run» ganhou uma visibilidade algo tardia para a maioria dos ouvintes portugueses, mas absolutamente necessária para uma melhor compreensão do percurso de Springsteen com a E-Street Band.
Nada melhor que uma maratona de registos ao vivo para provocar um impacto junto das audiências. Animal de palco por excelência, a colectânea «Bruce Springsteen & The E-Street Band Live 1975-1985» mostrou todo o poderio comunicacional deste contador de estórias da América contemporânea, herói e representante das classes trabalhadoras. O primeiro e mais legítimo Rei do Rock depois de Elvis Presley. São absolutamente imperdíveis as introduções de Bruce, por vezes muito longas, a alguns dos mais emblemáticos temas, como por exemplo "The River".
A Rádio não passou ao lado de tamanho manancial sonoro e dedicou amplo espaço a esta edição histórica, apontada por grande parte da crítica como um dos melhores discos ao vivo de sempre da música popular.
O extinto (e saudoso) CMR-Correio da Manhã Rádio preencheu várias madrugadas com a passagem integral destas quase quatro horas de legado histórico de uma década de palco. Essa transmissão ocorreu essencialmente ao longo do Verão de 1987, mesmo com o spot de publicidade Malhus Informática a entrar aleatoriamente por cima das canções.
Antes disso, no início do Outono de 1986, o tema "Jersey Girl" (original de Tom Waits) era presença assídua nas manhãs da Rádio Comercial, soberbamente comandadas por José Ramos. O radialista não se cansou de dizer que aquela versão ao vivo de Springsteen ultrapassava em muito o original de Waits. E talvez estivesse certo. Tom Waits é, desde sempre, uma influência assumida e fundamental na obra de Bruce, a par de Elvis e dos Suicide.
No último dia desse ano de 1986, o programa «Rocklandia» na Antena1 dedicou a totalidade das suas duas horas de emissão à transmissão de uma selecção prévia da então recente edição do disco «Bruce Springsteen & The E-Street Band Live 1975-1985». A apresentação esteve a cargo de Jorge Alexandre Lopes, num rockpark imaginário elaborado em pleno estúdio de emissão em directo para todo o país.
Enfim, um trabalho discográfico marcante. Apesar de nos últimos tempos Bruce Springteen ter editado outros discos ao vivo, nenhum voltou a possuir semelhante importância.

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Paixões Cruzadas
















Emissão número 200, emitida na passada sexta-feira à noite (já no início da madrugada de sexta para Sábado; 27/28 de Abril) na Antena1, entre a meia-noite e as duas da manhã.
Normalmente o programa de António Macedo e António Cartaxo tem uma hora de duração, mas excepcionalmente teve duas na emissão comemorativa das duas centenas de programas.
«Paixões Cruzadas» começou no dia 12 de Janeiro de 2008 e consiste em ambos os radialistas escolherem, à vez, uma peça musical da sua preferência, subordinado a um determinado tema, sendo as escolhas de António Macedo de âmbito popular e as de António Cartaxo de âmbito erudito.
No programa número 200 a primeira hora foi dedicada ao Amor e a segunda ao Cinema.
Não é inédita esta vivência de perto de António Macedo com a música de carácter clássico. Há cerca de vinte anos, na TSF, co-realizou a série de programas «Allegro Ma Non Troppo» (a meias com um interlocutor cujo nome não consigo recordar). O próprio António Cartaxo também teve, nesses anos inaugurais da então Rádio Jornal, um espaço de divulgação de música clássica e, assina actualmente na Antena2, aquele que designo como o melhor programa de Rádio da actualidade na rádio portuguesa e que já aqui foi, na «Rádio Crítica», referenciado por diversas vezes: «Em Sintonia».

Dois exemplos das escolhas musicais de António & António em «Paixões Cruzadas».
A primeira referente ao Amor e a segunda ao Cinema:

Bobby Goldsboro – “Honey” (1968):



Sergei Rachmaninoff "Concerto nº2 para piano em C menor, Opus 18" (1900); Filme «Brief Encounter» de David Lean (1945):


Ouvir o programa «Paixões Cruzadas» na íntegra (1ª e 2ª partes) aqui