quinta-feira, 31 de março de 2011

Imagens do Inverno 2011 (IV)











quarta-feira, 30 de março de 2011

Imagens do Inverno 2011 (III)





















terça-feira, 29 de março de 2011

Imagens do Inverno 2011 (II)


























Il figlio a Berlusconi: "Papà che cos'è l'amore?". "Dare a una donna soldi, case e macchine!". "E i sentimenti?". "Un invenzione dei comunisti per trombare gratis!"











segunda-feira, 28 de março de 2011

Imagens do Inverno 2011 (I)


sábado, 26 de março de 2011

Rádio Nostalgia

Março 2011
Na noite da grande aproximação à Terra, a canção da irmã Lua no álbum que diz que não há nada como o Sol.
Sting em 1987 no melhor disco a solo da voz e do líder dos The Police.
Nesse ano a Rádio dizia deste e de outros discos que era o regresso dos dinossauros. Para além de Sting em «Nothing Like The Sun», ainda as referências a Robbie Robertson, Bruce Springsteen em «Tunnel of Love» e ao estreante Terence Trent D’Arby «Introducing the Hardline According to Terence Trent D'Arby».
Mas a sedução lunar era – e é – milenarmente irresistível.

Sting “Sister Moon” (1987)



Sister moon will be my guide

In your blue blue shadows

I would hide

All good people asleep tonight

I'm all by myself in your silver light
I would gaze at your face the whole night through
I'd go out of my mind, but for you

Lying in a mother's arms

The primal root of a woman's charms

I'm a stranger to the sun

My eyes are too weak

How cold is a heart

When it's warmth that he seeks?

You watch every night, you don't care what I do

I'd go out of my mind, but for you


My mistress' eyes are nothing like the sun

My hunger for her explains everything I've done

To howl at the moon the whole night through

And they really don't care if I do

I'd go out of my mind, but for you
Sister Moon


sexta-feira, 25 de março de 2011

Perigeu
















Ocorreu na passada noite de Sábado (19 de Março) – véspera de equinócio – a maior aproximação da Lua à Terra em 18 anos. Um fenómeno raro, cíclico e sempre belo de observar. O acontecimento foi amplamente divulgado na Rádio.

A explicação científica:

O fenómeno de aproximação da lua à Terra é designado perigeu (oposto ao apogeu, quando está mais afastada), explica-se por a órbita deste satélite não ser circular, mas elíptica, e não é invulgar, acontecendo todos os anos.
O que acontece de extraordinário este ano é explicado pelo astrónomo: «A forma da elipse, a excentricidade da elipse, varia periodicamente, às vezes é mais alongada, outras mais curta. Alguns dos perigeus que ocorrem sucessivamente são mais próximos do que outros.
A coincidência é haver um perigeu desses muito próximos e que também coincide com a lua cheia, e isso dá uma lua maior do que o habitual.

Rui Jorge Agostinho
Director do Observatório Astronómico de Lisboa


Este perigeu vai fazer com que a lua esteja a cerca de 356 mil quilómetros da Terra, enquanto que em média está à volta dos 360 mil quilómetros de distância.















Na noite da grande Lua, o regresso à publicação de «Bitsounds» (edição 99), da autoria de Firmino Pereira/Zito C., um dos membros da «Irmandade do Éter».
O brilho milenar do luar na superfície do Tempo. É sempre tempo de ouvir aqui


quinta-feira, 24 de março de 2011

Hoje à meia-noite acaba a Rádio Capital e começa a rádio Sudoeste TMN

Em termos práticos a Rádio Capital terminou. Nos visores já não aparece a designação [em sistema R.D.S.], aparecendo apenas a frequência. Música a metro, sem locução, uns jingles curtos com frases anedóticas e um spot promocional dizendo que vai aparecer uma nova estação: Esta frequência está em obras. Abrimos à meia-noite com uma nova rádio.




















Informação oficial:

À sua décima quinta edição, para além de uma edição digna de celebração com os já anunciados Amy Winehouse, Scissor Sisters, Interpol, Underworld, Swedish House Mafia, Patrice, entre outros, o festival SWtmn, prepara-se para dar o maior salto da sua existência – o alargamento do projecto às ondas hertzianas. O objectivo é simples: fazer com que o maior festival de Verão português dure 24 horas por dia, 365 dias por ano. A Rádio SWtmn nasce já amanhã, dia 25 de Março, e será o espelho do espírito do festival no espectro electromagnético: uma rádio descontraída e entusiasta, onde o papel principal está, obviamente, reservado à Música.

Sob o mote “Música no Máximo”, a nova estação pretende instituir-se como uma extensão natural dos diferentes palcos do evento, desde o Palco TMN, Palco Planeta Sudoeste Jogos Santa Casa, SAPO Positive Vibes ou Groovebox. Ou seja, na Rádio SWtmn, o público encontrará não apenas a música mais nova e interessante, que vai de encontro ao seu estilo de vida enérgico, mas também a música que já conhece e que continua no topo das suas preferências. Sem se restringir a um único estilo, indo do reggae à música electrónica, passando pela Pop e pelo Rock, bem como por apostas mais alternativas, a playlist da Rádio SWtmn será dinâmica, já que o voto da audiência é um dos factores determinantes na sua construção. Quanto à Música Portuguesa, essa será, naturalmente, uma aposta, vincando desta forma os ideais do próprio festival que, ao longo dos anos, tem sido palco para os projectos mais relevantes de cada momento, e divulgado os novos nomes do panorama nacional.

No entanto, o reflexo do SWtmn nesta nova rádio não será apenas sentido na música que toca. Apostando numa programação de autor, onde as vozes que vão para o ar assumem toda a sua importância enquanto pessoas, a Rádio SWtmn distingue-se pela sua humanização, indo de encontro aos ideais do festival. Assim, entre as personalidades que estão por trás deste projecto, encontramos nomes de referência no universo radiofónico, tais como Pedro Moreira Dias, Pedro Ramos, Isilda Sanches, Inês Meneses ou ainda, Rui Maria Pêgo e Raquel Strada caras bem conhecidas do público, entre outros. Posto isto, a emissora assume-se como uma estação que prima pela Humanização e pela Credibilidade da sua equipa, ao nível da Música, do entretenimento e da informação centrada na Música e nos assuntos de interesse do seu público-alvo.

Vincando o seu pendor de reflexo do estilo de vida associado ao público do festival, a Rádio SWtmn estará inevitavelmente ligada à informação sobre música e cultura, definindo uma nova agenda de lifestyle, atenta às exigências e às necessidades de uma audiência que sabe o que quer e vive em permanente agitação.

Em plena era digital, o projecto não estaria completo se não estivesse assente numa base multiplataforma, em que a emissão FM pode, igualmente, ser seguida online através do site oficial www.radiosw.tmn.pt , nos telemóveis TMN e, ainda, na TV, graças ao MEO.

A “Zambujeira no Ar” pode ser encontrada a partir de amanhã, em qualquer rádio da Grande Lisboa ou Grande Porto, em 100.8 FM ou 102.7 FM, respectivamente.

RÁDIO SWtmn
O SWtmn, 365 dias por ano, 24 horas por dia

100.8 fm LISBOA
102.7 fm PORTO

Sites Oficiais:
http://www.radiosw.tmn.pt/
www.facebook.com/sudoestetmn

quarta-feira, 23 de março de 2011

Artur Agostinho

(Lisboa, 25 de Dezembro de 1920 — 22 de Março de 2011)
















O radialista, actor e jornalista desportivo Artur Agostinho morreu esta terça-feira aos 90 anos de idade no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde esteve internado uma semana.
A missa de corpo presente decorre em Lisboa esta hoje na Igreja São João de Deus, junto à Praça de Londres, seguindo o funeral para o cemitério de Benfica.

O que eles dizem (72):

Não tenho dúvidas em dizer que com ele morre uma parte importante da história da rádio. A uma certa altura o Artur Agostinho foi a Rádio. Desenvolveu as mais variadas actividades, dos relatos à informação, passando pelo teatro radiofónico, sempre competente em todas as áreas. Ele era a Rádio.

Ribeiro Cristóvão
(Jornalista da Rádio Renascença)
In: «PÚBLICO»
Terça-feira, 22 de Março 2011

segunda-feira, 14 de março de 2011

Festival Para Gente Sentada 2011





















Santa Maria da Feira 18 e 19 de Março
Cine Teatro António Lamoso


O Festival Para Gente Sentada 2011 vai na 7ª edição e tem já cartaz fechado

O cartaz do Festival para Gente Sentada, que já contava com The Legendary Tigerman e Piano Magic, fica agora fechado com a adição de Laetitia Sadier (mais famosa como vocalista dos Stereolab), Nuno Prata, B Fachada e Spokes.
Laetitia Sadier vai tocar no primeiro dia, 18 de Março, com The Legendary Tigerman enquanto que B Fachada e Spokes juntam-se a Piano Magic no dia seguinte.
O bilhete diário custa 20€ e o bilhete para ambas as noites fica por 30€.

sexta-feira, 11 de março de 2011

Mini-Tour
















BIRDS ARE INDIE

Têm dois EP's editados em 2010: «Love Birds Hate Pollen» e «Life is Long». São de Coimbra e, sem terem pretensões algumas, vão começar a espalhar a sua singela música por outras cidades.
Depois da estreia em Coimbra no passado dia 18 de Fevereiro, o duo composto por Joana Corker e Ricardo Jerónimo vai apresentar-se ao vivo em Março e Abril:
Ricardo Jerónimo é radialista na RUC-Rádio Universidade Coimbra; Joana Corker é designer e autora dos (magníficos!) cartazes dos concertos realizados pela Lugar Comum.

Mini-Tour:

Pombal
12 de Março (Sábado)
Tia Almerinda Cabaret Bar
23:00

Castelo Branco
17 de Março (5ªf)
Património Lounge Bar
00:00

Alpedrinha [Fundão]
18 de Março (6ªf)
Teatro Clube de Alpedrinha
21h30

Braga
25 de Março (6ªf)
Velha-a-Branca
22:30

Lisboa
12 de Abril (3ªf) - showcase
Music Box (Off Beatz)
23:30

http://birdsareindie.blogspot.com
http://www.myspace.com/birdsareindie


quinta-feira, 10 de março de 2011

Novo tema dos The Gift












Novo tema dos The Gift, do também novo álbum «Explode». Vídeo oficial gravado em Los Angeles e encenado por Lukas Haas e Isabel Lucas. Imagens realizadas por Carleton Ranney. Ainda não ouvi na Rádio.

THE GIFT – “Made for You” (2011):


quarta-feira, 9 de março de 2011

A LUGAR COMUM apresenta:





















JULIANNA BARWICK (EUA)
Primeira parte: Diamond Gloss (Portugal)
Sexta-feira, 11 de Março 2011 (23:00)
Tabacaria – Oficina Municipal do Teatro COIMBRA

Julianna Barwick não é uma singer songwriter. A estrutura das suas composições não é estanque. Não se deixa envolver pela camisa-de-forças que aprisiona ao longo de quatro minutos o formato canção. Raramente incorpora elementos para além da sua própria voz, objecto de constante manipulação, replicando diferentes contextos e texturas emocionais.
Componente determinante no seu trabalho, a forma como Barwick explora o alcance e ressonância das suas vocalizações remonta à sua adolescência, passada no estado do Louisiana, período ao longo do qual integrou inúmeros grupos corais e congregações religiosas. Invariavelmente só em palco, escolhe a companhia de inúmeros pedais de efeitos, laptops, loop stations e sintetizadores, como que recriando um grandioso colectivo de vocalizações que ecoam nas suas memórias.
Ao longo de duas actuações, em Coimbra e Lisboa, Julianna Barwick antecipará o seu próximo álbum, “The Magic Place”, a ser editado pela reconhecida label Asthmatic Kitty. Duas noites especiais e reveladoras de uma das maiores promessas do lado de lá do Atlântico. Primeira parte no concerto de Coimbra a cargo de Diamond Gloss, projecto do multi-instrumentista português Gonçalo Pereira,o qual percorre os trilhos do pós-rock, pontuado por elementos electrónicos. A sua sonoridade convoca referências como Autechre, Hammock, Sigur Rós, Helios e Múm.














Links:
www.juliannabarwick.com
www.myspace.com/juliannabarwick
www.myspace.com/diamondglosspage

She sings just one measure at a time, some fragment of a melody like a car radio heard from miles away, and then she builds on it, recording the measure and looping it, live, erecting accents and harmonies and melodies and octaves and all measure of human sound, arriving at this cathedral of a thing, impossibly immense and gilded.
eMusic

Her ethereal multi-tracked harmonies have the devotional quality of gospel choirs, and the oddball allure of Bjork or Yoko Ono.
NY Times

[…] while Barwick can seem to be reaching for these grand themes and overwhelming statements, there's something in her music that brings it back down to earth. It feels human, imperfect, and intimate, and the line of communication is one-to-one. Despite her music's often epic sweep, it can feel like she is whispering in our ears."Pitchfork
"Her music is impressive, unique, and includes hardly any discernible lyrics. She loops her own voice and vocal percussion until you forget the one track that started it all.
Brightest Young Things

Julianna Barwick – "Sunlight, Heaven"

Preços:
Entrada geral: € 10,00
Entrada geral (compra antecipada): € 9,00
Entrada associados Lugar Comum: € 8,00

Venda:
Oficina Municipal do Teatro: 10h30 - 13h00 // 14h30 - 19h00
FNAC de Coimbra: 10h00 - 24h00

A reserva das entradas poderá ser efectuada através do endereço geral@lugarcomum.pt (com indicação do número de bilhetes pretendido, nome, BI e contacto); as reservas podem ser feitas até 10 de Março, devendo ser levantadas na Oficina Municipal do Teatro entre as 22h00m e as 23h do dia do concerto , sob pena de perderem efeito.

LUGAR COMUM - Associação de Promoção e Divulgação Cultural


sexta-feira, 4 de março de 2011

Histórias verdadeiras




















03 de Março de 1996
Há quinze anos caía o avião que transportava o grupo brasileiro Mamonas Assassinas

Por coincidência (ou incidência), estava a fazer emissão em directo na TSF nesse dia, onde dei a notícia a partir de um telex da Agência Lusa. Terá sido a notícia dada em primeira-mão na Rádio. No final dessa tarde, princípio de noite, estava prevista uma entrevista na TSF com o grupo. Estaria à espera deles para me autografarem a capa do CD. De imediato telefonei ao colega da Rádio que os iria entrevistar daí a horas. Ele também não sabia do sucedido.
Os Mamonas Assassinas estavam a ser um fenómeno de popularidade e vendas e iam dar o primeiro concerto em Portugal.














04 de Março de 2001
Há dez anos caía a ponte Hintze Ribeiro

Também na emissão em directo, encontrava-me nos momentos antecedentes à realização de mais uma edição do programa «Como no Cinema». A notícia da tragédia de Entre-os-Rios fez a TSF abrir um especial informação para acompanhar a par e passo os desenvolvimentos iniciais após a queda da ponte. Foi num Sábado à noite e o Inverno estava ainda na sua máxima força. Frio, chuva intensa e ventos fortes. O Inverno de 2000/2001 foi o mais rigoroso de que me lembro em Portugal, quase igualizado pelo anterior (2009/2010). Este que agora está prestes a terminar - por comparação - tem sido suave.
Naquela noite de Sábado, de dia 03 para dia 04 de Março, já Domingo, a emissão especial da TSF durou horas, como se esperava e como tinha que ser. Foi a única noite em que a realização da série de programas «Como no Cinema» não foi possível. As circunstâncias falavam por si, como era óbvio. Uma tragédia inesperada pode mudar tudo numa Rádio feita em directo.
Nos dias seguintes, e pelas piores razões, uma pequena localidade do Norte do país era notícia em todo o lado, até em televisões noticiosas internacionais.

quinta-feira, 3 de março de 2011

Rádio TMN

















Depois da Rádio Romântica (do grupo Média Capital) ter sido encerrada para dar lugar à Vodafone FM, é agora a vez de uma das operadoras concorrentes entrar na corrida. A Rádio Capital (do grupo LusoCanal) dará lugar à rádio da TMN. Desconhece-se ainda os contornos da conversão, mas o pedido de autorização já deu entrada na ERC-Entidade Reguladora para a Comunicação Social.
É o mercado da concorrência a mexer. Não o das rádios, mas a concorrência das marcas. No caso, marcas implementadas no mercado das telecomunicações móveis.
Alô Optimus? E depois? ZON; MEO; Cabovisão; Tele2; Rede4; etc?

Entretanto encerrou há semanas o período de casting para a Vodafone FM, cuja emissão em regime experimental mantém-se "no Ar" [107.2 Lisboa; 94.3 Porto]. Foram escolhidos dois jovens animadores/apresentadores/DJ's.
O novel canal musical dirige-se às camadas mais novas (coisa que estava mesmo a fazer falta à radiodifusão nacional) e, tendo em conta o linguarejar do rapaz seleccionado (ver vídeo abaixo por inteiro), pode dizer-se que esta nova fornada de estações/marcas/telecomunicações começa memo MUITA bem!



O que eles dizem (71)

Sou favorável se servir para que as estações de rádio em causa não acabem.

Azeredo Lopes
Presidente da ERC
In: PÚBLICO

A Romântica FM acabou (também apresentava um tipo de produto que não estava a fazer falta nenhuma). E sobre a deliberação favorável à mudança verificada, o presidente da ERC revelou outro requisito: "que o novo logótipo da rádio se distinguisse do da operadora".
Distingue-se?


quarta-feira, 2 de março de 2011

Em Transe























Uma sessão semanal de áudio hipnose

De Ricardo Mariano e Ricardo Carvalho.
Uma hora de sons instrumentais, dividida em duas metades. A primeira, sob a orientação de Ricardo Mariano, com predominância de sonoridades atmosféricas e etéreas, provocando a sensação ondulante de levitação.
A segunda meia-hora, sob orientação de Ricardo Carvalho, mantém a cadência instrumental e planura, numa toada mais acústica.
Em Transe é um convite à introspecção através dos sons. Em outros tempos, dizer-se-ia um espaço espiritual.
Ambos os autores são provenientes do mundo da Rádio. Mariano da RUC, onde há mais de oito anos realiza o programa «Vidro Azul» (transmitido na RADAR; também é podcast); Carvalho tem experiência radiofónica anterior na Rádio Alvor e RUM-Rádio Universidade do Minho.

Em Transe na RADAR:
De Segunda para Terça-feira 01:00/02:00
Domingo 08:00/09:00

Em Transe blogue: http://radiotranse.blogspot.com
Em Transe podcast: http://radiotranse.podomatic.com/



terça-feira, 1 de março de 2011

Novos programas na RADAR – Planeta Pop




















Da blogosfera para o éter, duas horas semanais de memórias e sonhos pop com os ouvidos no futuro. Divulgação. Partilha. Independência.

São duas horas de música pop, com realização de Paulo Garcia. O mesmo autor do blogue/site com o mesmo nome e que há já muitos anos se dedica à divulgação das várias correntes da música Pop.
Lembro-me das suas aparições no programa «Curto-circuito» da SIC-Radical durante a primeira metade da última década, num período em que o programa de TV tinha conteúdos mais interessantes e apresentadores menos infantis que actualmente.
Em «Planeta Pop» ouvem-se as novidades e algumas recordações. É o ambiente Pop no seu esplendor, num encontro estimulante entre o passado, o presente e o futuro.

Planeta Pop na RADAR:
Sábado 23:00/01:00
Domingo 15:00/17:00
Sexta 23:00/01:00

Planeta Pop blogue/site: http://www.planeta-pop.com
Planeta Pop Podcast: http://planeta-pop.podomatic.com